Acidente de trabalho - responsabilidade do empregador?

 
PAGINA INICIAL
QUEM SOMOS
O QUE É ERGONOMIA
NOSSOS PRODUTOS E SERVIÇOS
CATÁLOGOS DE NOSSOS PRODUTOS
1- ACESSÓRIOS AUTO ILUMINADOS
2- APOIO ERGONÔMICO PARA MOUSE E TECLADO
3- APOIO PARA OS PÉS
4- BANCOS ERGONÔMICOS
5- CADEIRAS ERGONÔMICAS
6- CINTOS ABDOMINAIS LOMBARES
8- MESAS E BANCADAS ERGONÔMICAS
7- ESTAÇÕES E POSTOS DE TRABALHO
9- TAPETES ANTI FADIGA E ESTRADOS
10- SUPORTES ERGONÔMICOS
11- PRODUTOS ANTI- ESTÁTICOS
12- CALÇADOS ESPECIAIS
GINÁSTICAS E PREVENÇÃO
VIDEOTECA
ARQUIVOS PARA DOWNLOAD
ERGONEWS - Brasil
PROMOÇÕES ESPECIAIS
NOTÍCIAS
IMPRENSA
BATE PAPO COM NOSSA EQUIPE TÉCNICA
ARTIGO DA SEMANA
ARTIGOS E MATERIAL TÉCNICO
CONTATO
 

 

26/09/2014 - Acidente de trabalho - responsabilidade do empregador?


Por enviado pelo engenheiro Osny Telles Orselli

Alterar tamanho da fonte: A+ | a-

Consideramos esta matéria recebida de nossos amigos da Granadeiro Guimarães Advogados e pela CMQV  extremamente interessante daí repassa-la para nossos leitores


Boa leitura a todos


Osny Telles Orselli


Acidente de trabalho - responsabilidade do empregador?


Esta reação por parte dos empresários é bem comum por não se sentirem responsáveis pela causa do acidente e, tampouco, serem condenados ao pagamento de indenização por dano moral ou material ao empregado acidentado.


Assim como o empregador acredita muitas vezes não ser o culpado pelo empregado sofrer um acidente, não seria razoável acreditar que o empregado tivesse a intenção de provocar o acidente, sob pena de ficar inválido ou incapacitado, sem poder prover o sustento à sua família ou pelo risco de estar "descartando" sua vida pessoal ou profissional.


Acidente do trabalho é aquele que ocorre no exercício de atividade a serviço da empresa e provoca lesão corporal ou perturbação funcional, que pode causar a morte, a perda ou a redução permanente ou temporária da capacidade para o trabalho.


Consideram-se, também, como acidente do trabalho:


A doença profissional ou do trabalho, produzida ou desencadeada pelo exercício do trabalho peculiar a determinada atividade; Acidente típico, que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa; Acidente de trajeto, que ocorre no percurso do local de residência para o de trabalho ou desse para aquele, considerando a distância e o tempo de deslocamento compatíveis com o percurso do referido trajeto. O prejuízo material decorrente do acidente de trabalho se caracteriza pela diminuição das possibilidades em obter os mesmos rendimentos por meio da força de trabalho de que dispunha o empregado antes do fato ocorrido. Essa redução diz respeito à profissão ou ofício então desenvolvidos, em que se comprova a diminuição da capacidade de trabalho por parte do empregado, consoante entendimento extraído do art. 950 do Código Civil de 2002, in verbis:


"Art. 950. Se da ofensa resultar defeito pelo qual o ofendido não possa exercer o seu ofício ou profissão, ou se lhe diminua a capacidade de trabalho, a indenização, além das despesas do tratamento e lucros cessantes até ao fim da convalescença, incluirá pensão correspondente à importância do trabalho para que se inabilitou, ou da depreciação que ele sofreu.


Parágrafo único. O prejudicado, se preferir, poderá exigir que a indenização seja arbitrada e paga de uma só vez."


Dever de indenizar - dolo ou culpa?


O dever de indenizar surgiu da teoria do risco gerado, ou seja, se é o empregador quem cria o risco por meio de sua atividade econômica (empresa), a ele caberá responder pelos danos causados, independente de dolo ou culpa. A este contexto atribuímos a teoria da responsabilidade objetiva.


Assim dispõe o art. 927 do Código Civil ao determinar que haja obrigação de reparar o dano, independentemente de culpa, nos casos especificados em lei, ou quando a atividade normalmente desenvolvida pelo autor do dano (empregador) implicar, por sua natureza, risco para os direitos de outrem.


Se o empresário se propõe a estabelecer uma empresa que pode oferecer riscos na execução das atividades, se contrata pessoas para executar estas atividades e se os benefícios (lucros) gerados à este (empregador) devem ser atribuídos, logo, o risco do negócio, assim como os resultantes dos acidentes, também deverão ser por ele suportados.


Por outro lado, há entendimento de que se deveria aplicar, nestes casos, a teoria da responsabilidade subjetiva, ou seja, somente após comprovar que houve dolo ou culpa do empregador, é que lhe imputaria a responsabilidade pelo acidente e, consequentemente, o dever de indenizar.


A Constituição Federal dispõe em seu artigo 7º, inciso XXVIII, que é direito dos trabalhadores o seguro contra acidentes do trabalho, a cargo do empregador, sem excluir a indenização a que este está obrigado, quando incorrer em dolo ou culpa.


O dolo é a intenção de agir em desfavor ao que dispõe a lei ou contrariamente às obrigações assumidas, agir de má-fé, é enganar mesmo com pleno conhecimento do caráter ilícito do próprio comportamento.


A culpa é a negligência, a falta de diligência (cuidado) necessária na observância de norma de conduta, isto é, não prever o que poderia ser previsível, porém sem intenção de agir ilicitamente e sem conhecimento do caráter ilícito da própria ação.


Como se pode observar há uma norma constitucional direcionando para a responsabilidade subjetiva e uma norma infraconstitucional direcionando para a responsabilidade objetiva.


Entendimento jurisprudencial - nexo de causalidade


Assim como em diversos outros aspectos trabalhistas, a questão fica para ser solucionada pelo entendimento jurisprudencial, onde os magistrados, diante de cada caso concreto, tomam as decisões mediante as provas apresentadas no processo.


Ora pode-se comprovar que houve culpa do empregado no acidente de trabalho pela falta de cuidado ao manusear o equipamento ou executar a tarefa, mesmo com todas as orientações e treinamentos necessários, ora pode-se comprovar que houve culpa do empregador que, por não observar as normas de segurança ou por obrigar o empregado a laborar frequentemente em horas extras causando-lhe desgaste físico e mental, proporcionou o acidente.


Assim, o acidente do trabalho, por si só, é insuficiente para gerar a obrigação indenizatória por parte do empregador, pois, somente se verificará a obrigação de ressarcir os danos quando na investigação da causa, ficar comprovado que este dano é consequência direta e imediata (nexo de causalidade) de uma atuação dolosa ou culposa do empregador.


Fonte: Boletim Guia Trabalhista, por Sergio Ferreira Pantaleão (*), 24.09.2014


O conteúdo dos artigos reproduzidos neste clipping são de inteira responsabilidade de seus autores, não traduzindo, por isso mesmo, a opinião legal de Granadeiro Guimarães Advogados ou da CMQV.


 

Comente este artigo:
* Nome:
E-mail:
Publicar E-mail:Sim   Nao   
* Comentário:
O que está escrito na imagem ?
 


Notícias




 
ATENDIMENTO ONLINE

 

GOLDEN SEAT - PROMOÇÃO
O tradicional Golden Seat mudou...O design do Golden Seat mudou e quem ganha é o cliente ao adquirir as últimas peças da linha....
 

LANÇAMENTO - CADEIRA ATELIÊ
Cadeira Ergonômica para escritório - Linha Golden Premium - modelo ATELIÊ
 

faça suas compras e utilize seu cartão BNDES - fale conosco
 

PRIMEIRA CADEIRA BRASILEIRA
PROJETO ESPECIAL BrasGolden - SAÚDE - Primeira cadeira especial para Biopsia Mamária. Engenharia, sanitária e funcional adequada ás necessidades da paciente.
 

CADEIRA PARA COSTUREIRA
Vamos tirar suas dúvidas sobre CADEIRAS DE COSTUREIRAS - entre e veja...
 

CONHEÇA NOSSA LINHA
Entre e conheça toda nossa linha de Cadeiras Ergonômicas para pesos especiais
 

Linha de Bancos Especiais
Entre e conheça nossos bancos especiais
 

KIT ERGOPET
Veja a importância da Ergonomia nos PET-SHOPS
 

CADEIRAS PARA CHECK OUTS
Adeque seu check out com o Anexo I da NR17
 

Mobiliário para escritórios
mais detalhes...
 

Cadeiras em PU -WDA
Cadeiras inteiramente em poliuretano Integral Skin com ou sem braços, varios mecanismos, várias alturas - veja todas as especificações
 

SINALIZAÇÃO ULTIMA GERAÇÃO

BASTÕES ESPECIAIS COM UM ÚNICO LED COM FIBRA ÓPTICA

 

NR36 E ERGONOMIA EM PAUTA
As razões mais comuns apontadas pela CNTA Afins para o elevado índice de acidentes são a exposição a alterações bruscas de temperatura; a realização de movimentos repetitivos; e as jornadas exaustivas.
 

Pranchetas anti-pânico
saiba especificar sua cadeira
 

Produtos Anti Estáticos

 

COMPONENTES - BASES
Conheça nossas Bases:Pequenas, maiores, de nylon, de aço carbono, aço inox, de aluminio.
 

COMPONENTES - MECANISMOS
Entre e escolha o mecanismo ideal para sua necessidade
 

COMPONENTES: RODIZIOS E PÉS
entre e conheça nossa linha de rodízios, pés, sapatas e deslizadores a sua disposição
 

GINÁSTICA DO GATO

 

ASE - EMPRESA SUSTENTÁVEL
SAIBA QUAIS OS NOSSOS PRECEITOS DE SUSTENTABILIDADE
 

REVISTA NEI
Leia: Mesas e bancadas de alturas reguláveis, atendendo ao anexo II da NR17
Nossas mesas e bancadas foram selecionados pelos consultores técnicos da Revista NEI.
 

NOSSO BATE - PAPO!
Espaço criado para integração e interação - leia, participe e tire suas dúvidas...

VAMOS COMPARTILHAR NOSSAS EXPERIÊNCIAS!

 

Notícias Gerais
Nosso engenheiro agora recebe online estatísicas ocupacionais dos EUA para nossos estudos. Leia em notícias....
 

NOSSO DIFERENCIAL
Conheça nossos diferenciais!
 

GALERIA DE VÍDEOS
Entre e veja nossa Galeria de Vídeos
 

ASE - Sustainability
For full detail click here
 

ARTIGOS DE ERGONOMIA
LEIA ESTES ARTIGOS POIS ERGONOMIA É CONSCIENTIZAÇÃO
 

FAZEMOS PARTE DA CMQV
Conheça nossos serviços, cursos e projetos
 

Acesse nosso Facebook

 

ÉTICA - UM PRINCÍPIO SEM FIM
A BRASGOLDEN - MUNDOERGONOMIA - EMPRESA CIDADÃ - faz parte desse princípio que não pode ter fim!
 

Nenhum item em seu carrinho de compras.

 

Clientes
Login:
Senha: 
Esqueceu a Senha ?
 

Informações
Desejo receber informações e novidades por e-mail.
Nome:
Email:
 


Copyright © 2017 Mundo Ergonomia. Todos os direitos reservados.
Website desenvolvido com tecnologia Super Modular