Bancários sofrem com as LER

 
PAGINA INICIAL
QUEM SOMOS
O QUE É ERGONOMIA
NOSSOS PRODUTOS E SERVIÇOS
1- CALÇADOS & SINALIZAÇÃO
2- APOIO ERGONÔMICO PARA MOUSE E TECLADO
3- APOIO PARA OS PÉS
4- BANCOS ERGONÔMICOS
5- CADEIRAS ERGONÔMICAS
6- CINTOS ABDOMINAIS LOMBARES
7- ESTAÇÕES E POSTOS DE TRABALHO
8- MESAS - APRESENTAÇÃO GERAL
9- TAPETES ANTI FADIGA E ESTRADOS
10- SUPORTES ERGONÔMICOS
11- PRODUTOS ANTI- ESTÁTICOS
EXERCÍCIOS E RELAXAMENTOS
TREINAMENTOS
ARTIGOS E MATERIAL TÉCNICO
VIDEOTECA
ARQUIVOS PARA DOWNLOAD
ERGONEWS - Brasil
PROMOÇÕES DO MES
NOTÍCIAS
IMPRENSA
BATE PAPO COM NOSSA EQUIPE TÉCNICA
ARTIGO DA SEMANA
CONTATO
 

 

29/04/2007 - Bancários sofrem com as LER


Por Leandra Peres - Folha

Alterar tamanho da fonte: A+ | a-

Folha de São Paulo 29 de abril de 2007
 
  

         País gasta R$ 981 milhões com LER em bancários
 
Entre 2000 e 2005, 25 mil trabalhadores receberam auxílio-doença devido a moléstias causadas por esforços repetitivos


Afastamento é de um ano e meio, em média, somando 14,9 mi de dias de ausência; para especialista, país não tem cultura da prevenção


LEANDRA PERES
DA SUCURSAL DA FOLHA EM BRASÍLIA


O Ministério da Previdência Social gastou R$ 981,4 milhões entre 2000 e 2005 para pagar o auxílio-doença a 25,08 mil bancários afastados do trabalho por doenças causadas por movimentos repetitivos.
Cada um desses trabalhadores ficou um ano e meio afastado, em média, somando 14,9 milhões de dias sem trabalhar.
Essas estatísticas colocam os bancos em primeiro lugar no ranking dos Dort (Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho), que inclui doenças da coluna, tendinite, bursite e LER (Lesão por Esforço Repetitivo). Esses distúrbios já são a segunda maior causa de doenças entre os trabalhadores do país.

Os números explicam também por que o governo aumentou há alguns anos, de 1% para 3%, o percentual que os bancos recolhem mensalmente sobre a folha de pagamento para financiar o seguro de acidentes do trabalho, benefício pago pela Previdência Social aos trabalhadores afastados por motivo de doenças ligadas ao trabalho.
"Os casos de LER e Dort são caros para a sociedade. Será que prevenir custa R$ 39 mil por pessoa? [É preciso] que não se faça mais a socialização do custo. O empregador tem de assumir sua responsabilidade na prevenção de doenças", afirma o secretário de previdência social do ministério, Helmut Schwarzer.
De acordo com os dados da Previdência, para cada grupo de 10 mil trabalhadores, 520 bancários foram afastados por Dort entre 2000 e 2004.

Na fabricação de tênis, setor que ocupa o segundo lugar no ranking desses distúrbios, o número de trabalhadores afetados é de 392 para cada grupo de 10 mil.

Além da incidência elevada, outro dado chama a atenção no setor bancário. Entre os 25,08 mil bancários que receberam o auxílio-doença, em apenas 8.700 casos os bancos reconheceram ter havido acidente de trabalho. De acordo com Schwarzer, isso mostra a subnotificação por parte dos bancos, ou seja, em muitos casos a doença não é notificada pelas instituições financeiras.


Indenização
O presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, o maior do país, Luiz Cláudio Marcolino, explica que é bastante comum os bancos oferecerem indenização aos trabalhadores afastados em troca da notificação do acidente.

É que, de acordo com a lei, um trabalhador afastado por acidente de trabalho tem estabilidade no emprego por um ano e direito a continuar recebendo, por exemplo, o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço). Assim, a indenização pode sair mais barata para a empresa do que a estabilidade no emprego.

Os bancos negam que esses acordos sejam praxe atualmente. Segundo Magnus Ribas Apostólico, superintendente de relações trabalhistas da Febraban (Federação Brasileira dos Bancos), esse tipo de negociação ocorreu há cerca de cinco anos, mas foi desaconselhado pela entidade.
"O que não podemos evitar é que o trabalhador afastado proponha um acordo para deixar o banco. Nesses casos, por iniciativa do empregado, a questão é discutida", disse Ribas.

Para os bancos, as doenças por esforço repetitivo podem ter origens variadas, o que torna "muito difícil" estabelecer a vinculação entre os sintomas e o trabalho. A Febraban também afirma que há um grande número de fraudes.

"Acreditamos que antes de caracterizar essas doenças como de origem laboral seja fundamental que a perícia médica do INSS [Instituto Nacional do Seguro Social] realize uma investigação mais aprofundada (...). Os bancos não emitiram CAT [Comunicação de Acidente de Trabalho] porque não reconhecem a origem ocupacional do afastamento", afirma a Febraban.


Reabilitação
Para a doutora em saúde do trabalho e professora da UnB (Universidade de Brasília) Anadergh Barbosa, os bancários sofreram as maiores alterações na estrutura do trabalho entre todas as outras categorias nos últimos anos.
Segundo ela, além da informatização, a mudança no sistema de gerenciamento dos bancos, feita a partir de metas, o maior número de assaltos e o menor prestígio da profissão no ambiente social fizeram com que a vulnerabilidade dos trabalhadores aumentasse.
Essa piora no ambiente de trabalho ainda não foi acompanhada de bons sistemas de reabilitação, segundo Barbosa. "Não temos uma cultura prevencionista."



 

Comente este artigo:
* Nome:
E-mail:
Publicar E-mail:Sim   Nao   
* Comentário:
O que está escrito na imagem ?
 


Notícias




 
ATENDIMENTO ONLINE

 

faça suas compras e utilize seu cartão BNDES - fale conosco
 

EMOÇÃO DE LANÇAMENTO
SÃO MUITAS EMOÇÕES - EMOTION - uma cadeira que lhe proporcionará muitas EMOÇÕES - entre e conheça
 

CADEIRA PARA COSTUREIRA
Vamos tirar suas dúvidas sobre CADEIRAS DE COSTUREIRAS - entre e veja...
 

NR36 E ERGONOMIA EM PAUTA
As razões mais comuns apontadas pela CNTA Afins para o elevado índice de acidentes são a exposição a alterações bruscas de temperatura; a realização de movimentos repetitivos; e as jornadas exaustivas.
 

Acesse nosso Facebook

 

GALERIA DE VÍDEOS
Entre e veja nossa Galeria de Vídeos
 

PROMOÇÃO
entre, conheça e faça seu pedido
 

NOSSO DIFERENCIAL
Conheça nossos diferenciais!
 

Linha de Bancos Especiais
Entre e conheça nossos bancos especiais
 

KIT ERGOPET
Veja a importância da Ergonomia nos PET-SHOPS
 

CADEIRAS PARA CHECK OUTS
Adeque seu check out com o Anexo I da NR17
 

Mobiliário para escritórios
mais detalhes...
 

Cadeiras em PU -WDA
Cadeiras inteiramente em poliuretano Integral Skin com ou sem braços, varios mecanismos, várias alturas - veja todas as especificações
 

COMPONENTES - BASES
Conheça nossas Bases:Pequenas, maiores, de nylon, de aço carbono, aço inox, de aluminio.
 

COMPONENTES - MECANISMOS
Entre e escolha o mecanismo ideal para sua necessidade
 

COMPONENTES: RODIZIOS E PÉS
entre e conheça nossa linha de rodízios, pés, sapatas e deslizadores a sua disposição
 

GINÁSTICA DO GATO

 

ASE - EMPRESA SUSTENTÁVEL
SAIBA QUAIS OS NOSSOS PRECEITOS DE SUSTENTABILIDADE
 

REVISTA NEI
Leia: Mesas e bancadas de alturas reguláveis, atendendo ao anexo II da NR17
Nossas mesas e bancadas foram selecionados pelos consultores técnicos da Revista NEI.
 

NOSSO BATE - PAPO!
Espaço criado para integração e interação - leia, participe e tire suas dúvidas...

VAMOS COMPARTILHAR NOSSAS EXPERIÊNCIAS!

 

Notícias Gerais
Nosso engenheiro agora recebe online estatísicas ocupacionais dos EUA para nossos estudos. Leia em notícias....
 

SINALIZAÇÃO ULTIMA GERAÇÃO

BASTÕES ESPECIAIS COM UM ÚNICO LED COM FIBRA ÓPTICA

 

ASE - Sustainability
For full detail click here
 

ARTIGOS DE ERGONOMIA
LEIA ESTES ARTIGOS POIS ERGONOMIA É CONSCIENTIZAÇÃO
 

Pranchetas anti-pânico
saiba especificar sua cadeira
 

Produtos Anti Estáticos

 

Nenhum item em seu carrinho de compras.

 

Clientes
Login:
Senha: 
Esqueceu a Senha ?
 

Informações
Desejo receber informações e novidades por e-mail.
Nome:
Email:
 


Copyright © 2014 Mundo Ergonomia. Todos os direitos reservados.
Website desenvolvido com tecnologia Super Modular