Anexo I da NR 17 - Operadores de Checkout

 
PAGINA INICIAL
QUEM SOMOS
O QUE É ERGONOMIA
NOSSOS PRODUTOS E SERVIÇOS
1- CALÇADOS & SINALIZAÇÃO
2- APOIO ERGONÔMICO PARA MOUSE E TECLADO
3- APOIO PARA OS PÉS
4- BANCOS ERGONÔMICOS
5- CADEIRAS ERGONÔMICAS
6- CINTOS ABDOMINAIS LOMBARES
7- ESTAÇÕES E POSTOS DE TRABALHO
8- MESAS - APRESENTAÇÃO GERAL
9- TAPETES ANTI FADIGA E ESTRADOS
10- SUPORTES ERGONÔMICOS
11- PRODUTOS ANTI- ESTÁTICOS
EXERCÍCIOS E RELAXAMENTOS
TREINAMENTOS
ARTIGOS E MATERIAL TÉCNICO
VIDEOTECA
ARQUIVOS PARA DOWNLOAD
ERGONEWS - Brasil
PROMOÇÕES DO MES
NOTÍCIAS
IMPRENSA
BATE PAPO COM NOSSA EQUIPE TÉCNICA
ARTIGO DA SEMANA
CONTATO
 

 

30/03/2007 - Anexo I da NR 17 - Operadores de Checkout


Por enviado por Osny Telles Orselli

Alterar tamanho da fonte: A+ | a-

Informativo FISCOSt - Port. SIT/DSST Nº 8
Segurança e Saúde no Trabalho - Trabalho dos Operadores de Checkout - NR nº 17


Anexo I

Foi aprovado o Anexo I da Norma Regulamentadora nº 17 - Trabalho dos Operadores de Checkout, nos termos do Anexo da Portaria nº 8 de 30 de março de 2007.
Referida Portaria dispôs que os prazos estabelecidos não implicam a dispensa da obrigação de cumprir as demais normas regulamentadoras de segurança e saúde no trabalho, e ainda que o disposto no anexo da Norma Regulamentadora obriga todos os empregadores, inclusive os constituídos sob a forma de microempresa ou empresa de pequeno porte.
No Anexo, constam os seguintes tópicos:
a) disposições gerais aos empregadores que desenvolvam atividade comercial utilizando sistema de auto-serviço e checkout, como supermercados, hipermercados e comércio atacadista;
b) mobiliário do checkout, no posto de trabalho;
c) aspectos do ambiente físico de trabalho e ao conjunto do posto de trabalho; d) manipulação das mercadorias;
e) atendimento no checkout para pessoas idosas, gestantes, portadoras de deficiências ou que apresentem algum tipo de incapacidade momentânea;
f) organização do trabalho e seus aspectos psicossociais, treinamento do empregado, visando aumentar o conhecimento da relação entre o seu trabalho e a promoção à saúde;
g) disposições transitórias e cronograma de prazos para aplicação destas disposições.



Port. SIT/DSST 8/07 - Port. - Portaria SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO/DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO nº 8 de 30.03.2007 <>  D.O.U.: 02.04.2007
Aprova o Anexo I da NR-17 - Trabalho dos Operadores de Checkout.


A SECRETÁRIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO e o DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, tendo em vista o disposto no artigo 200 da Consolidação das Leis do Trabalho e no artigo 2º da Portaria nº 3.214, de 08 de junho de 1978 e
Considerando a proposta de regulamentação apresentada pelo Grupo de Trabalho Tripartite do Anexo I da NR-17, aprovada pela Comissão Tripartite Paritária Permanente - CTPP, de acordo com o disposto na Portaria nº 1.127, de 02 de outubro de 2003 , resolvem:
Art. 1º Aprovar o Anexo I da Norma Regulamentadora nº 17 -Trabalho dos Operadores de Checkout, nos termos do Anexo desta Portaria.
Art. 2º Os prazos estabelecidos nesta Portaria não implicam a dispensa da obrigação de cumprir as demais normas regulamentadoras de segurança e saúde no trabalho.
Art. 3º O disposto no anexo da Norma Regulamentadora obriga todos os empregadores, inclusive os constituídos sob a forma de microempresa ou empresa de pequeno porte.
Art. 4º Esta Portaria entra em vigor da data de sua publicação.
RUTH BEATRIZ VASCONCELOS VILELA
Secretária de Inspeção do Trabalho
RINALDO MARINHO COSTA LIMA
Diretor do Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho


ANEXO I DA NR-17 - TRABALHO DOS OPERADORES DE CHECKOUT

1. Objetivo e campo de aplicação

1.1. Esta Norma objetiva estabelecer parâmetros e diretrizes mínimas para adequação das condições de trabalho dos operadores de checkout, visando à prevenção dos problemas de saúde e segurança relacionados ao trabalho.
1.2. Esta Norma aplica-se aos empregadores que desenvolvam atividade comercial utilizando sistema de auto-serviço e checkout, como supermercados, hipermercados e comércio atacadista.

2. O posto de trabalho
2.1 . Em relação ao mobiliário do checkout e às suas dimensões, incluindo distâncias e alturas, no posto de trabalho deve-se:
a) atender às características antropométricas de 90% dos trabalhadores, respeitando os alcances dos membros e da visão, ou seja, compatibilizando as áreas de visão com a manipulação;
b) assegurar a postura para o trabalho na posição sentada e em pé, e as posições confortáveis dos membros superiores e inferiores, nessas duas situações;
c) respeitar os ângulos limites e trajetórias naturais dos movimentos,
durante a execução das tarefas, evitando a flexão e a torção
do tronco;
d) garantir um espaço adequado para livre movimentação do operador e colocação da cadeira, a fim de permitir a alternância do trabalho na posição em pé com o trabalho na posição sentada;
e) manter uma cadeira de trabalho com assento e encosto para apoio lombar, com estofamento de densidade adequada, ajustáveis à estatura do trabalhador e à natureza da tarefa;
f) colocar apoio para os pés, independente da cadeira;
g) adotar, em cada posto de trabalho, sistema com esteira eletro-mecânica para facilitar a movimentação de mercadorias nos checkouts com comprimento de 2,70 metros ou mais;
h) disponibilizar sistema de comunicação com pessoal de apoio e supervisão;
i) manter mobiliário sem quinas vivas ou rebarbas, devendo os elementos de fixação (pregos, rebites, parafusos) ser mantidos de forma a não causar acidentes.
2.2. Em relação ao equipamento e às ferramentas utilizadas pelos operadores de checkout para o cumprimento de seu trabalho, deve-se:
a) Escolhê-los de modo a favorecer os movimentos e ações próprias da função, sem exigência acentuada de força, pressão, preensão, flexão, extensão ou torção dos segmentos corporais;
b) Posicioná-los no posto de trabalho dentro dos limites de alcance manual e visual do operador, permitindo a movimentação dos membros superiores e inferiores e respeitando a natureza da tarefa;
c) Garantir proteção contra acidentes de natureza mecânica ou elétrica nos checkouts, com base no que está previsto nas normas regulamentadoras do MTE ou em outras normas nacionais, tecnicamente reconhecidas;
d) Mantê-los em condições adequadas de funcionamento.
2.3. Em relação ao ambiente físico de trabalho e ao conjunto do posto de trabalho, deve-se:
a) Manter as condições de iluminamento, ruído, conforto térmico, bem como a proteção contra outros fatores de risco químico e físico, de acordo com o previsto na NR-17 e outras normas regulamentadoras;
b) Proteger os operadores de checkout contra correntes de ar, vento ou grandes variações climáticas, quando necessário;
c) Utilizar superfícies opacas, que evitem reflexos incômodos no campo visual do trabalhador.
2.4. Na concepção do posto de trabalho do operador de checkout deve-se prever a possibilidade de fazer adequações ou ajustes localizados, exceto nos equipamentos fixos, considerando o conforto dos operadores.

3. A manipulação de mercadorias
3.1. O empregador deve envidar esforços a fim de que a manipulação de mercadorias não acarrete o uso de força muscular excessiva por parte dos operadores de checkout, por meio da adoção de um ou mais dos seguintes itens, cuja escolha fica a critério da empresa:
a) Negociação do tamanho e volume das embalagens de mercadorias com fornecedores;
b) Uso de equipamentos e instrumentos de tecnologia adequada;
c) Formas alternativas de apresentação do código de barras da mercadoria ao leitor ótico, quando existente;
d) Disponibilidade de pessoal auxiliar, quando necessário;
e) Outras medidas que ajudem a reduzir a sobrecarga do operador na manipulação de mercadorias.
3.2. O empregador deve adotar mecanismos auxiliares sempre que, em função do grande volume ou excesso de peso das mercadorias, houver limitação para a execução manual das tarefas por parte dos operadores de checkout.
3.3. O empregador deve adotar medidas para evitar que a atividade de ensacamento de mercadorias se incorpore ao ciclo de trabalho ordinário e habitual dos operadores de checkout, tais como:
a) Manter, no mínimo, um ensacador a cada três checkouts em funcionamento;
b) Proporcionar condições que facilitem o ensacamento pelo cliente; c) Outras medidas que se destinem ao mesmo fim.
3.3.1. A escolha dentre as medidas relacionadas no item 3.3 é prerrogativa do empregador.
3.4. A pesagem de mercadorias pelo operador de checkout só poderá ocorrer quando os seguintes requisitos forem atendidos simultaneamente:
a) balança localizada frontalmente e próxima ao operador;
b) balança nivelada com a superfície do checkout;
c) continuidade entre as superfícies do checkout e da balança, admitindo-se até dois centímetros de descontinuidade em cada lado da balança;
d) teclado para digitação localizado a uma distância máxima de 45 centímetros da borda interna do checkout;
e) número máximo de oito dígitos para os códigos de mercadorias que sejam pesadas.
3.5. Para o atendimento no checkout, de pessoas idosas, gestantes, portadoras de deficiências ou que apresentem algum tipo de incapacidade momentânea, a empresa deve disponibilizar pessoal auxiliar, sempre que o operador de caixa solicitar.

4. A organização do trabalho
4.1. A disposição física e o número de checkouts em atividade (abertos) e de operadores devem ser compatíveis com o fluxo de clientes, de modo a adequar o ritmo de trabalho às características psicofisiológicas de cada operador, por meio da adoção de pelo menos um dos seguintes itens, cuja escolha fica a critério da empresa:
a) Pessoas para apoio ou substituição, quando necessário;
b) Filas únicas por grupos de checkouts;
c) Caixas especiais (idosos, gestantes, deficientes, clientes com pequenas quantidades de mercadorias);
d) Pausas durante a jornada de trabalho;
e) Rodízio entre os operadores de checkouts com características diferentes;
f) Outras medidas que ajudem a manter o movimento adequado de atendimento sem a sobrecarga do operador de checkout.
4.2. São garantidas saídas do posto de trabalho, mediante comunicação, a qualquer momento da jornada, para que os operadores atendam às suas necessidades fisiológicas, ressalvado o intervalo para refeição previsto na Consolidação das Leis do Trabalho.
4.3. É vedado promover, para efeitos de remuneração ou premiação de qualquer espécie, sistema de avaliação do desempenho com base no número de mercadorias ou compras por operador.
4.4. É atribuição do operador de checkout a verificação das mercadorias apresentadas, sendo-lhe vedada qualquer tarefa de segurança patrimonial.

5. Os aspectos psicossociais do trabalho
5.1. Todo trabalhador envolvido com o trabalho em checkout deve portar um dispositivo de identificação visível, com nome e/ou sobrenome, escolhido(s) pelo próprio trabalhador.
5.2. É vedado obrigar o trabalhador ao uso, permanente ou temporário, de vestimentas ou propagandas ou maquilagem temática, que causem constrangimento ou firam sua dignidade pessoal.

6. Informação e formação dos trabalhadores
6.1. Todos os trabalhadores envolvidos com o trabalho de operador de checkout devem receber treinamento, cujo objetivo é aumentar o conhecimento da relação entre o seu trabalho e a promoção à saúde.
6.2. O treinamento deve conter noções sobre prevenção e os fatores de risco para a saúde, decorrentes da modalidade de trabalho de operador de checkout, levando em consideração os aspectos relacionados a:
a) posto de trabalho;
b) manipulação de mercadorias;
c) organização do trabalho;
d) aspectos psicossociais do trabalho;
e) agravos à saúde mais encontrados entre operadores de checkout. 6.2.1. Cada trabalhador deve receber treinamento com duração mínima de duas horas, até o trigésimo dia da data da sua admissão, com reciclagem anual e com duração mínima de duas horas, ministrados durante sua jornada de trabalho.
6.3. Os trabalhadores devem ser informados com antecedência sobre mudanças que venham a ocorrer no processo de trabalho.
6.4. O treinamento deve incluir, obrigatoriamente, a disponibilização de material didático com os tópicos mencionados no item
6.2 e alíneas.
6.5. A forma do treinamento (contínuo ou intermitente, presencial ou à distância, por palestras, cursos ou audiovisual) fica a critério de cada empresa.
6.6. A elaboração do conteúdo técnico e avaliação dos resultados do treinamento devem contar com a participação de integrantes do Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho e da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes, quando houver, e do coordenador do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional e dos responsáveis pela elaboração e implementação do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais.

7. Disposições Transitórias
7.1. As obrigações previstas neste anexo serão exigidas após encerrados os seguintes prazos:
7.1.1. Para os subitens 1.1; 1.2; 3.2; 3.5; 4.2; 4.3 e 4.4, prazo de noventa dias.
7.1.2 . Para os subitens 2.1 "h"; 2.2 "c" e "d"; 2.3 "a" e "b"; 3.1 e alíneas; 4.1 e alíneas; 5.1; 5.1.1; 5.2; 5.3 e 6.3, prazo de cento e oitenta dias.
7.1.3. Para Subitens 2.1 "f" e "g"; 3.3 "a", "b" e "c"; 3.3.1; 6.1; 6.2 e alíneas; 6.2.1; 6.4; 6.5 e 6.6, prazo de um ano.
7.1.4. Para os subitens 2.1 "a", "b", "c", "d", "g" e "i"; 2.2 "a" e "b"; 2.3 "c"; 2.4 e 3.4 e alíneas, prazos conforme o seguinte cronograma:
a) Janeiro de 2008 - todas as lojas novas ou que forem submetidas a reformas;
b) Até julho de 2009 - 15% das lojas;
c) Até dezembro de 2009 - 35% das lojas;
d) Até dezembro de 2010 - 65% das lojas;
e) Até dezembro de 2011 - todas as lojas.

VEJA: MONTAGENS E ADEQUAÇÕES  DE POSTOS DE CHEKOUTS DE ACORDO COM O ANEXO I DA NR17
http://www.mundoergonomia.com.br/website/conteudo.asp?id_website_categoria_conteudo=11887&cod=1847&idi=1&moe=74

contato técnico: osny@mundoergonomia.com.br



Normas e Legislação




 
ATENDIMENTO ONLINE

 

faça suas compras e utilize seu cartão BNDES - fale conosco
 

EMOÇÃO DE LANÇAMENTO
SÃO MUITAS EMOÇÕES - EMOTION - uma cadeira que lhe proporcionará muitas EMOÇÕES - entre e conheça
 

CADEIRA PARA COSTUREIRA
Vamos tirar suas dúvidas sobre CADEIRAS DE COSTUREIRAS - entre e veja...
 

NR36 E ERGONOMIA EM PAUTA
As razões mais comuns apontadas pela CNTA Afins para o elevado índice de acidentes são a exposição a alterações bruscas de temperatura; a realização de movimentos repetitivos; e as jornadas exaustivas.
 

Acesse nosso Facebook

 

GALERIA DE VÍDEOS
Entre e veja nossa Galeria de Vídeos
 

PROMOÇÃO
entre, conheça e faça seu pedido
 

NOSSO DIFERENCIAL
Conheça nossos diferenciais!
 

Linha de Bancos Especiais
Entre e conheça nossos bancos especiais
 

KIT ERGOPET
Veja a importância da Ergonomia nos PET-SHOPS
 

CADEIRAS PARA CHECK OUTS
Adeque seu check out com o Anexo I da NR17
 

Mobiliário para escritórios
mais detalhes...
 

Cadeiras em PU -WDA
Cadeiras inteiramente em poliuretano Integral Skin com ou sem braços, varios mecanismos, várias alturas - veja todas as especificações
 

COMPONENTES - BASES
Conheça nossas Bases:Pequenas, maiores, de nylon, de aço carbono, aço inox, de aluminio.
 

COMPONENTES - MECANISMOS
Entre e escolha o mecanismo ideal para sua necessidade
 

COMPONENTES: RODIZIOS E PÉS
entre e conheça nossa linha de rodízios, pés, sapatas e deslizadores a sua disposição
 

GINÁSTICA DO GATO

 

ASE - EMPRESA SUSTENTÁVEL
SAIBA QUAIS OS NOSSOS PRECEITOS DE SUSTENTABILIDADE
 

REVISTA NEI
Leia: Mesas e bancadas de alturas reguláveis, atendendo ao anexo II da NR17
Nossas mesas e bancadas foram selecionados pelos consultores técnicos da Revista NEI.
 

NOSSO BATE - PAPO!
Espaço criado para integração e interação - leia, participe e tire suas dúvidas...

VAMOS COMPARTILHAR NOSSAS EXPERIÊNCIAS!

 

Notícias Gerais
Nosso engenheiro agora recebe online estatísicas ocupacionais dos EUA para nossos estudos. Leia em notícias....
 

SINALIZAÇÃO ULTIMA GERAÇÃO

BASTÕES ESPECIAIS COM UM ÚNICO LED COM FIBRA ÓPTICA

 

ASE - Sustainability
For full detail click here
 

ARTIGOS DE ERGONOMIA
LEIA ESTES ARTIGOS POIS ERGONOMIA É CONSCIENTIZAÇÃO
 

Pranchetas anti-pânico
saiba especificar sua cadeira
 

Produtos Anti Estáticos

 

Nenhum item em seu carrinho de compras.

 

Clientes
Login:
Senha: 
Esqueceu a Senha ?
 

Informações
Desejo receber informações e novidades por e-mail.
Nome:
Email:
 


Copyright © 2014 Mundo Ergonomia. Todos os direitos reservados.
Website desenvolvido com tecnologia Super Modular